O Negociado prevalece sobre o legislado – Lei 13467/2017

O Negociado prevalece sobre o legislado – Lei 13467/2017

A Convenção Coletiva (CCT) é um ato jurídico, que realiza uma combinação entre os sindicatos de empregadores e empregados para determinar normas nas relações de trabalho.

O instrumento que estabelece CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, esta estabelecido na forma dos incisos VII, XIII e XXVI do artigo 7º e incisos III e VI do artigo 8º, ambos da Constituição Federal, bem como dos artigos 611 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, e poderá ser estabelecido para regular cláusulas sociais e cláusulas econômicas.

Tem como objetivo estipular condições de trabalho especiais e complementares à Consolidação das Leis do Trabalho.


Com o advento da lei 13.467/2017 foi estabelecido um princípio o qual o negociado por intermédio de acordo ou convenção coletiva prevalece sobre a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), excluindo os casos em que a negociação é tida como objeto ilícito, ou seja, nos casos em que tal convenção anule direitos do colaborador.


Possui uma vigência por um prazo de no máximo dois anos, usualmente sendo de 01 (um) ano e que deve ser cumprida por ambas as partes, pois determinam direitos e obrigações.


Para os colaboradores, a Convenção Coletiva amplia os direitos previstos na CLT.

Desta forma, a lei elencou as possíveis situações em que pode ocorrer a prevalência da CCT sobre a CLT, e se encontra no artigo 611-A da CLT.


Com relação as vedações impostas pela lei, é elencado como objeto ilícito para negociações suprimir ou reduzir os direitos relativos às férias, décimo terceiro salário, FGTS, seguro desemprego, horas extras, aviso prévio, benefícios previdenciários e normas de saúde e segurança do trabalho. Esta restrição encontra-se no artigo 612 e traz uma lista extensa de tais direitos.


Assim, todos os anos as empresas que realizam as Convenções coletivas, tem o compromisso de definir em suas rodadas de negociações as benesses para os seus colaboradores, lembrando sempre que tais benefícios, sempre retornam aos empregadores em forma de produtividade elevada por parte do colaborador, que fará o possível para manter um trabalho de qualidade e se manter no emprego.

 

Por Maíra Emily @mairaemily e Tathiany Mantovany @tathianymantovany

Nossos últimos posts.

O que é BIG DATA ?

Você provavelmente já ouviu falar em Big Data. O termo, que tem ganhado a cada dia mais
relevância, extrapolou os domínios da Tecnologia da Informação e ganhou destaque em matérias
de revista e jornal. Tudo isso porque a capacidade de operar com grandes volumes de dados se
tornou imprescindível para negócios e organizações de todos os setores.
Mas então, será que se alguém te perguntar, você sabe dizer o que é esse tal de Big Data? Não? Sem
problemas. Neste artigo que preparamos especialmente sobre o assunto você vai entender de uma
vez por todas o que é isso e tirar as principais dúvidas relacionadas ao mercado de trabalho na
área.
Continue conosco e veja a seguir o que é Big Data!
Pense em dados. Muitos dados
Você já ouviu falar que nos últimos cinco anos a humanidade gerou cerca de 90% de toda a
informação da história? Pois é, isso não é mentira. Mas você compreende o que isso significa?
Este dado implica em uma capacidade de criar e armazenar um volume enorme de dados em uma
velocidade também muito grande. E que dados serão esses? Todo tipo de dado. Curiosidades na
Internet, relatórios governamentais, informações de organizações privadas, etc.
E quando falamos em Big Data, estamos nos referindo particularmente a esta última categoria que
citamos: informações geradas por empresas. De acordo com a BSA – The Software Alliance
(representante de grandes empresas de software de todo o mundo) todos os dias são criados
aproximadamente 2,5 quintilhões de bytes de informação. Isso é o Big Data.
Biga Data: e daí?
Lembra que anteriormente nós falamos da quantidade, da velocidade e dos tipos de dados
gerados? Esses são os três Vs do Big Data: Volume, Variedade, Velocidade.
Agora pense, se uma informação é gerada, há um objetivo para isso. Por isso, ela precisa ser
devidamente processada e analisada, certo?
Mas se tantas informações, de tantos tipos, são geradas tão rápido, todos os dias, como priorizar,
segmentar e analisar todas estas informações de forma que elas não se percam nem tenham sua
relevância reduzida? De modo que elas realmente agreguem valor para as empresas que as
criaram?
É aí que entra o cientista de dados. Este profissional é indispensável para fazer o tratamento do Big
Data.
Como ser um profissional reconhecido em Big Data?
Para obter reconhecimento neste ramo, como cientista da informação, você precisa de
algumas habilidades básicas.
Em primeiro lugar, é necessário ter uma boa capacidade de raciocínio objetivo para
acompanhar as necessidades dos seus clientes. Cabe a você decidir quais informações ignorar
ou valorizar, de acordo estritamente com os objetivos e protocolos da empresa.
Também é indispensável ter conhecimentos matemáticos, além de programação e
tecnologias, uma vez que será necessário lidar com muitos códigos em diferentes linguagens,
além de sistemas de armazenamento de informações, como computação em nuvem.
Por fim, conhecimentos em engenharia de redes e uma boa capacidade de avaliar riscos,
realizar simulações e solucionar problemas é indispensável, uma vez que os dados com que
você vai trabalhar são muito valiosos para a organização. Com essas habilidades bem
sedimentadas, é possível ser um profissional bem reconhecido na área de Big Data

Ler mais »

Plataforma de Propostas de Consórcios

Este projeto foi desenvolvido com o intuito de automatizar o processo de geração de proposta de consórcios, evitando assim o erro humano na simulação dos cálculos e escalando o volume de propostas geradas pela empresa.

Ler mais »

Plataforma para Lojas de Câmbio

Esta plataforma foi desenvolvida para realizar cotações de moedas estrangeiras em tempo real e realizar a compra e venda das mesmas, com módulo financeiro, estoque, conciliação financeira e contas a pagar e a receber é um ERP completo para lojas de câmbio.

Ler mais »

Minha empresa precisa de um App?

Ter um aplicativo não é algo que precisa ser encarado como tendência e obrigatoriedade, mas sim, como um sistema que tende a entregar alguma solução efetiva aos seus clientes ou para alçar novos voos da sua empresa.

Ler mais »